Um tanto do que escrevi nesse espaço foi referente à minha vivência nessa cidade.

Decidi dedicar um blog só para isso: Quero Sair de São Paulo.

Venham todos!

Anúncios

Conhecemos os conceitos que envolvem Etnografia Rural e Urbana, e pudemos assim denominar tais culturas sociais em simples e complexas. Porém, fora do âmbito urbano, podemos realmente considerar as culturas sociais rurais como simples?

Sabe-se que, fora do âmbito das capitais, temos as cidades-satélites – municípios fronteiriços (ou dentro de um curto raio de espaço) à capital – onde geralmente habitam sociedades que trabalham nos grandes centros, mas desfrutam das suas arrecadações localmente, e que mesmo assim ainda não podem ser consideradas “rurais” por compartilharem o mesmo ambiente urbano. Só no estado de São Paulo, podemos citar diversos exemplos (Guarulhos, Osasco, etc.), o que já tornaria complexo o entendimento do âmbito urbano. Porém, fora desse grande eixo, as sociedades rurais também têm apresentado certa complexidade graças ao desenvolvimento da tecnologia e comunicação, que uma vez dominados pelo âmbito urbano, indiretamente alienam a cultura e a sociedade rural, vendendo uma imagem de superioridade cultural e estrutural.

Dentro desse cenário, a sociedade rural tende a perder seus valores por um status imaginário e supérfluo, não condizente com sua realidade. Não possuindo estrutura para executar uma manobra de alteração social de simples para complexa, torna-se imprevisível a condução de um pensamento a respeito do futuro de tal sociedade; porém, devem ser mantidas as memórias e os estudos dessa sociedade em transformação, por questões de identidade e parâmetro para as próximas gerações.

donniedarko

 

Gretchen: “Donnie Darko.” What the hell kind of name is that? It’s like some sort of superhero or something.
Donnie: What makes you think I’m not?

Mesmo na plenitude e no conforto dessa vida regrada, ás vezes me falta o sono e a inspiração vem ao ler alguns fatos ou histórias, ou ouvir algumas músicas. Meus textos digressivos e cotidianos ficaram por muito tempo presos à minha cabeça, e mesmo sabendo que não faz sentido compartilhar, os escrevo para dar cor à essa rotina cinza dos dias da semana. A plateia não é das melhores, a peça é a mesma em cartaz há anos, e eu tenho absoluta certeza que é justamente isso o que faz com que as pessoas passem, mas sempre assistam novamente – verem o protagonista num loop infinito de sensações e opiniões.

Estou em uma guerra interna, me odiando por ter me tornado o que sou hoje e me odiando por julgar fúteis alguns valores que eu já tive. O meu ontem conflita com o meu hoje, e isso não está certo porque a essência é uma só. As raízes estão plantadas e a vida deve seguir seu rumo. As responsabilidades continuam as mesmas, assim como as vontades. Então, por que é tão difícil conciliar? O que me impede de ter um consenso sobre o que é adequado? Por que os desejos de ontem soam tão bobos quando vistos hoje, e por que as ambições de hoje soam tão mal para minha essência?

Talvez eu realmente tenha amadurecido muito rápido devido às eventualidades da vida, e seja isso o que me inspira a tomar decisões definitivas com tão pouca idade. Foge um pouco de quem eu já fui, mas é o que me ampara e me faz sentir correto e justo comigo mesmo. Levo o aprendizado e a sensação ousada da descoberta, mas deixo a imaturidade e a necessidade de se afirmar.

Ás vezes, tudo em que digo acreditar

Parece tão idiota, e não sei se

Já fui derrotado antes mesmo de erguer

Minhas armas às nuvens.

Será que minhas trincheiras me esconderam demais?

Me cobri de poeira e nada pude ver?

Eu só escrevo porque eu não tenho com quem conversar muitas coisas. Quando tive, não escrevi. Entendeu?

Tudo vai ficar bem, ainda bem. Se for pra torcer por mim, seja bem-vindo. Se for pra rir da minha cara, entra na fila.

Fato é que um relacionamento bom nos inspira a fazer o melhor por nós, para crescer como pessoas e nos outros aspectos da vida. Sinto que fui muito coerente ao ter escolhido pela Deza e muito sortudo por ela ter me escolhido também. Parte do processo de crescimento foram nossas escolhas e os frutos tenho colhido pouco a pouco: promoção e faculdade. É só o começo de tudo o que quero. Por ela ser minha, eu ando na linha.

I keep a close watch on this heart of mine
I keep my eyes wide open all the time
I keep the ends out for the tie that binds
Because you’re mine, I walk the line

I find it very, very easy to be true
I find myself alone when each day is through
Yes, I’ll admit that I’m a fool for you
Because you’re mine, I walk the line

As sure as night is dark and day is light
I keep you on my mind both day and night
And happiness I’ve known proves that it’s right
Because you’re mine, I walk the line

You’ve got a way to keep me on your side
You give me cause for love that I can’t hide
For you I know I’d even try to turn the tide
Because you’re mine, I walk the line

A sua força, o seu sorriso, o seu olhar, o seu jeito de falar comigo, de reprimir meus trejeitos efeminados e fazer graça do meu jeito de falar a letra “R” puxada. As coincidências: mesmo bairro, mesmo time, mesmos primos, mesmos amigos em comum e mesmo nos conhecendo há uns doze anos, nunca termos conseguido fazer as coisas terem se encontrado.

A última palavra do meu dia, a vontade de ser única e ao mesmo tempo a ciência de que, nesse meu coração, muita coisa já aconteceu e houveram motivos para ser amargo (mas não dá pra ser amargo diante desse olhar). E já que é pra falar do que passou, vamos lá: o respeito com quem eu sou, o respeito com a minha família e a demonstração de que não vai mudar pra pior. A vontade de amadurecer comigo e não ser egoísta e pensar só no seu nariz.

A beleza física e interna, a pureza, a compreensão de que nem tudo é do jeito que a gente quer, mas se continuarmos nos esforçando e combinando, não fica ruim. A acessibilidade e essa sensação que você me passa que eu não estou sozinho e nem que as coisas vão dar errado como sempre deram. A maturidade que me guia e a ingenuidade que eu trilho.

O mais importante da sua vida e como nos damos bem. O futuro inteiro; logo ali e eu querer fazer o melhor por nós três.

Existem muitos outros motivos (sim, esse que você está pensando também) que me fazem te amar mais a cada dia, Loira. Nenhum texto descreveria tudo porque nada foi igual e se hoje eu escrevo essas linhas com o coração na ponta dos dedos, é porque sou o cara mais feliz que conheço, mesmo com o monte de merda que está acontecendo. Se não caí foi porque você estava lá pra me segurar e, sendo repetitivo, constato que nenhum texto seria digno da gratidão e do respeito que eu sinto por você.